Skip to main content

#227 - Marcos Pontes, o astronauta, terá 3% do PIB para Ciência e Tecnologia

Seguindo a lógica da meritocracia em contraposição ao velho "toma lá, dá cá", Bolsonaro afirmou em carta à Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e à Academia Brasileira de Ciências (ABC) que o engenheiro aeronáutico do ITA Marcos Pontes será o seu ministro da Ciência e Tecnologia, caso seja eleito no pleito deste domingo (28/10).

crédito: Youtube

Segundo a carta, Pontes pede que o governo seja agressivo na estratégia de investimento e argumenta que países desenvolvidos investem até 3% do PIB em ciência, tecnologia e inovação.

Nos planos do presidenciável esse patamar seria atingido até o fim do seu mandato e contaria com recursos públicos e privados alcançando algo entre R$10 bilhões e R$15 bilhões.

Plano de Governo (Bolsonaro 2018):
O modelo atual de pesquisa e desenvolvimento no Brasil está totalmente esgotado. Não há mais espaço para basear esta importante área da economia moderna em uma estratégia  centralizada, comandada de Brasília e dependente exclusivamente de recursos públicos.
Estados Unidos, Israel, Taiwan, Coréia do Sul e Japão incentivam estratégias descentralizadas. Criam-se “hubs” tecnológicos onde jovens pesquisadores e cientistas das universidades locais são estimulados a buscar parcerias com empresas privadas para transformar ideias em produtos.