Pular para o conteúdo principal

Ambient Computing: a Internet das Coisas bate à porta da sua casa

Ambient Computing é uma expressão utilizada no meio técnico já há alguns anos, mas que só agora começa a ganhar espaço na mídia a medida que assistentes pessoais como Alexa, Siri e o Assistant do Google tomam conta, de modo generalizado, das salas de estar nos EUA.

Só a Amazon já teria vendido 15 milhões de unidades do seu assistente Echo/Alexa até setembro/17, sobre 10,7 milhões em março e 5,1 milhões em novembro/16, representando 76% de market share nos EUA [o Google Home é o 2º com 24%], de acordo relatório publicado pela Consumer Intelligence Research Partners. O primeiro modelo Echo, um cilindro de 23,5 cm de altura x 8,3 cm de diâmetro, reprodutor de áudio com comando de voz, apareceu no mercado em novembro de 2014. O dispositivo conhecido originalmente pelo codinome "Doppler" foi desenvolvido nos escritórios do Lab126 da Amazon no Silicon Valley e em Cambridge (MA).

É claro que o ambient computing é bem mais do que a recente onda de gadgets com interface de voz. O artigo "Ambient Computing - Putting the Internet of Things to work", publicado por Andy Daecher e Thomas Galizia, da Deloitte, em 2015, nos dá uma dimensão mais exata do que essa revolução no ambiente doméstico [mas não só] pode representar no futuro. Dizem eles:
Possibilities abound from the tremendous growth of embedded sensors and connected devices—in the home, the enterprise, and the world at large. Translating these possibilities into business impact requires focus—purposefully bringing smarter “things” together with analytics, security, data, and integration platforms to make the disparate parts work seamlessly with each other. Ambient computing is the backdrop of sensors, devices, intelligence, and agents that can put the Internet of Things to work.
Além das soluções criadas pelas grandes empresas do Silicon Valley, existem iniciativas isoladas como o Ambient OS desenvolvido por Andy Rubin [um dos pais do Android, fundador e CEO da Essential Products atualmente]. Com o OS de Rubin, você também pode usar a voz para controlar os dispositivos compatíveis instalados em sua casa, solicitar a execução de músicas, ativar timers ou fazer perguntas a um assistente pessoal. Mas não só, o Essential Home, um dispositivo de tela circular, fornece adicionalmente informações textuais e gráficas complementares [i.e. mapas da cidade e trânsito].

O que torna o Ambient OS diferente de outros assistentes é que ele é uma espécie de IFTTT [If This Than That] só que mais sofisticado. Você poderá usar o timer interno do sistema para ligar/desligar a TV, as luzes ou qualquer outro aparelho ligado à rede de casa. Além disso, ele tem a capacidade de sugerir outros modos de como tais aparelhos podem interagir entre si e criar experiências diferenciadas. 

O Ambient OS, como é de se esperar de um sistema open source, irá permitir que terceiros desenvolvam apps para gerenciamento de devices compatíveis na casa. Segundo Rubin, seu sistema será capaz de interagir diretamente com os principais assistentes do mercado, uma vez que ele acredita que os usuários não vão querer ser forçados a utilizar um só assistente. Esse pode ser o maior dos desafios para Rubin, ou seja, convencer os demais fornecedores a submeter seus respectivos assistentes ao controle do seu sistema operacional. Pelo contrário, é mais provável que a Amazon assuma tal papel, considerando sua atual penetração no mercado, a enorme infraestrutura provida pela Amazon Web Services (AWS) e a integração com produtos de terceiros, que a Amazon brilhantemente alavancou nos últimos anos. O depoimento recente de Steve Kovack (Business Insider) é sintomático a esse respeito. Veja o que ele diz:
Alexa is everywhere - During CES this year, I was shocked at how many companies decided to integrate Alexa into their products. Toyota and Ford cars. Kholer bathtubs. Whirlpool ovens and dishwashers. And a bunch of third-party speakers. Ambient computing needs a voice assistant to be ubiquitous in order to be successful. If you call for "Alexa" and it's not there to do what you want, it has failed. Amazon's head start getting Alexa into everything, everywhere will help it maintain its lead.
A Essential Products não divulgou os preços nem o prazo para seus produtos chegarem ao mercado.