Skip to main content

#022 - Twitter notifica 1MM+ de usuários, Facebook anuncia receita recorde e Elon Musk vê iniciativa dos flamethrowers ameaçada!

Boa quinta-feira amigos.

1,4 milhão de pessoas teriam interagido pelo Twitter com campanhas troll ligadas ao Kremlin nas últimas eleições americanas, dobrando a quantidade estimada originalmente. A plataforma está notificando individualmente todas as pessoas afetadas: "We have expanded the number of people notified about interactions with Twitter accounts potentially connected to a propaganda effort by a Russian government-linked organization known as the Internet Research Agency." (BuzzFeed)

O Facebook bate as expectativas e anuncia a receita recorde de $12.97Bi USD no Q4 2017, apesar das notícias negativas que circulam na mídia nos últimos tempos. Fake news, malefícios causados pelo mau uso do tempo nas redes sociais, interferências da Rússia nas eleições, você sabe!

Deputado democrata de Los Angeles lidera um movimento para banir a venda dos tais lança-chamas de Elon Musk. Demorou! 17.500 [de um total de 19.500 disponíveis] já teriam sido encomendados até a última terça-feira (30/1). Com isso, a Boring Company deve faturar algo como $10MM USD. Musk, em sua defesa, recomenda que se ouça a música "I don't want to set the world on fire". O vídeo está bombando no Youtube com quase 10 milhões de visualizações. Qual era mesmo o core business da empresa?

A Spotify laçou o Stations. Um aplicativo gratuito, porém com anúncios, que toca playlists simulando estações de rádio, como sugere o nome. O usuário não tem controle sobre elas, não pode pesquisar por artistas nem músicas. O app está disponível oficialmente nas lojas Android e iOS da Austrália, mas pode ser baixado através da apkmirror no caso do Android e usado em qualquer lugar do mundo, já que não há restrição de localidade no servidor.

A lógica do aplicativo é trocar  todas as vantagens que a interatividade proporciona pela curadoria dos programadores da Spotify. Uma opção pelo passado, eu diria. Vamos ver no que vai dar.


São Paulo, 1 de fevereiro de 2018