Skip to main content

#023 - Resumo da semana: recordes na Apple, no Facebook; expectativa de lançamentos do Falcon Heavy, do HomePod e mais

Boa sexta-feira galera. A 7 dias do lançamento do HomePod várias dúvidas quanto às features do produto foram esclarecidas, ou estamos tentando pelo menos. Faltam dados oficiais então algumas respostas são um tanto especulativas. Reuni algumas em "Saiba o que você pode ouvir além do catalogo do Apple Music". Vão lá ver!

- A publicação Florida Today relacionou os 10 melhores lugares para ver o lançamento do Falcon Heavy na próxima terça-feira(6/2). Será um evento e tanto, afinal, não é sempre que se manda um carro para o espaço [literalmente falando]. Imperdível.

- A Boring Company fechou a meta de 20.000 lança-chamas em pré-venda no site da empresa depois de ter feito o mesmo com 30.000 bonés no final do ano passado. No caso dos lança-chamas é possível que as vendas sejam proibidas, pelo menos na California, se depender de um deputado local que prometeu passar uma lei nos próximos dias para banir a "arma" no Estado.

- Nova política do Facebook proíbe anúncios de serviços e produtos financeiros que são frequentemente associados com práticas promocionais enganosas. Criptomoedas, opções e oferta inicial de moedas (ICO) estão na lista. Enquanto Zuckerberg resolve como lidar com o problema lá em sua plataforma, o Google, que aparentemente não está nem preocupado com isso, deve experimentar um aumento em suas receitas com anúncios nessa área. Não faz muito tempo Zuckerberg disse estar interessado em aprofundar seus conhecimentos acerca dos aspectos positivos e negativos das tecnologias que envolvem as criptomoedas. Começou bem!

- Ainda pelos lados de Melon Park, o anúncio da receita recorde de $12.97Bi USD no Q4 2017 superou as expectativas dos analistas. O aumento está relacionado com a extração de mais dólares/anúncio neste trimestre associado a uma taxa ainda crescente de usuários ativos mensais. Vejam o post desta quarta-feira (31)

- No call para investidores realizado nesta quinta-feira (1/2) a Apple anunciou a receita recorde de $88.3Bi USD para o Q1 2018. Nos Q1 anteriores: $77.8Bi (2017), $75.9Bi (2016) e $74.6 Bi USD (2015). Tradicionalmente os primeiros trimestres do ano fiscal da Apple apresentam resultados bem superiores [40-80%] em relação a média dos demais trimestre do ano. A recuperação da China nos últimos dois trimestres tem sido decisiva para os resultados positivos apresentados:

Além disso, o preço médio de venda dos iPhones passou de $695 no Q1 de 2017 para $796 no Q1 de 2018, puxado pelo lançamento do iPhone X neste período. Na mesma reunião, Tim Cook anunciou para breve o desembarque do serviço Apple Pay no Brasil. Já nos "próximos meses", disse o executivo. 

- No post "Ambient Computing: a Internet das Coisas bate à porta da sua casa" você soube por que essa tecnologia é bem mais do que a recente onda de gadgets com interface de voz. O artigo "Ambient Computing - Putting the Internet of Things to work", publicado por Andy Daecher e Thomas Galizia, da Deloitte, em 2015, nos dá uma dimensão mais exata do que essa revolução no ambiente doméstico [mas não só] pode representar no futuro.

- Por fim, a leitura recomendada para esse fim de semana é o artigo de Kevin Kelly com sua visão bem peculiar acerca do futuro da Inteligência Artificial e do impacto, não na economia nem na política, mas no que diz respeito a redefinição do que significa ser humano. Vejam os links no post "Precisamos da Inteligência Artificial para nos dizer quem somos!"


São Paulo, 2 de fevereiro de 2018