Pular para o conteúdo principal

#054 - Stephen Hawking deixou um estudo que pode levar a descoberta de universos paralelos

Boa segunda-feira amigos. Stephen Hawking, um dos maiores físicos teóricos que o mundo conheceu, é co-autor de um estudo que descreve um meio de testar se outros universos existem. O paper denominado "A Smooth Exit from Eternal Inflation" foi submetido no último dia 4/3, 10 dias antes de sua morte. O website arXiv.org da Universidade de Cornell tem o registro do documento incluindo uma alteração realizada neste mês de março. De acordo com um artigo do Sunday Times, o documento contém os cálculos matemáticos necessários para que uma sonda enviada ao espaço profundo colete evidências que comprovem a existência de outros universos. O co-autor Thomas Hertog, professor da KU Leuven University na Bélgica, se encontrou pessoalmente com Hawking para obter aprovação final antes de submeter o paper.

Economia e Política

- A pequena cidade de 20 mil habitantes no norte do Estado de Nova Iorque é a primeira localidade americana a banir a mineração de Bitcoins. A decisão temporária suspende a produção comercial da criptomoeda pelo período inicial de 18 meses por motivo de queixa de consumidores que viram suas contas de energia infladas em $100 USD e até $200 USD, segundo o prefeito de Plattsburgh.

Jayce Wagner (Digital Trends):
The main thing that has drawn so many Bitcoin-mining operations to Plattsburgh has been the city’s proximity to a hydroelectric power plant. It’s the reason the city has some of the lowest power costs in the U.S. But those low prices only go so far. The city has an allotment of 104 megawatt-hours of electricity per month, and if it consumes more than that, the city has to buy power on the open market, at much higher rates. 


- A partir de maio os cidadãos chineses com baixa quantidade de "créditos sociais" poderão ser impedidos pelo Estado de adquirir passagens de trem ou de avião, de acordo com informações da Comissão de Reforma e Desenvolvimento Nacional da China divulgadas na última sexta-feira (16/3). O sistema funciona assim: a pontuação é atribuída ao cidadão de acordo com eventuais crimes cometidos, mas também em função do que compra, diz e faz. Espalhar informações falsas sobre terrorismo, causar problemas em voos, usar tíquetes expirados e fumar em trens, são motivos para atribuição de pontos negativos. Desde que foi implantado, mais de 7 milhões de cidadãos já foram punidos.

O mecanismo é semelhante ao nosso sistema de pontos na carteira de motorista, porém com esteroides. Trata-se de uma lógica perigosa. A medida que cresce a dependência das pessoas em relação ao uso de serviços públicos, aumenta a tentação de governantes mal intencionados de cobrar reciprocidades, ou coisa pior, dos seus cidadãos.

Empresas da Economia Digital

- Como dados de 50 milhões de usuários do Facebook foram parar nas mãos da campanha Trump em 2016. Issie Lapowsky (Wired):
Though Facebook says just 270,000 people downloaded the app, a loophole at the time apparently allowed Kogan to collect vastly more information. Until 2014, apps could also collect information on every users' entire friend network. Facebook shut down that capability for app developers in mid-2014, but offered some apps that were already up and running a small grace period before cutting them off. That timing roughly lines up with Kogan's research. Of the 50 million accounts Kogan had data on, the New York Times and Guardian reports say, 30 million had complete enough profiles that Cambridge could create psychographic profiles of them. Different than demographic profiles, these describe people based on their personality types.

A história começa com Aleksandr Kogan [hoje Dr. Aleksandr Kogan, professor do Departamento de Psicologia da Universidade de Cambridge]  criando um app chamado "thisisyourdigitallife" para aplicar um questionário de personalidade baseado em dados do Facebook. O aplicativo, durante o tempo em que ficou no ar, foi capaz de alcançar cerca de 50 milhões de contas na plataforma de Zuckerberg. Até aí nenhum problema. Ocorre que, ao invés de descartar os dados coletados após a utilização, Kogan os vendeu [contrariando os termos e condições de uso do Facebook] para a SCL / Cambridge Analytica, empresa contratada pelo pessoal da campanha de apoio à Donald Trump nas eleições de 2016.

Bottom line: o caso não ocorreu devido a uma violação de segurança, mas apenas por conta daquilo que o Facebook se trata, qual seja, uma máquina de vigilância de dimensões orwellianas.


- Alexa agora com "Brief Mode". Cansado de ouvir as mesmas respostas da sua assistente digital favorita? Com o novo recurso implementado pela Amazon, a confirmação do entendimento de um pedido é feita com um breve sinal sonoro ao invés de uma resposta verbal. No menu de configuração:
Alexa Voice Responses > Brief Mode
In this mode, Alexa speaks less, and for some simple messages plays a short sound instead of a voice response. 
Nem todos os aparelhos Echo estão com o recurso disponível, o que pode indicar tratar-se de um teste restrito ou uma implementação escalonada. Vamos descobrir isso nos próximos dias. Os demais assistentes bem que podiam copiar a ideia.

-  Apple Pay no Brasil. Circula na Internet a imagem de um terminal POS com o logo do sistema de pagamentos da Apple. Se aproxima o dia do lançamento do serviço, conforme anunciou Tim Cook durante o call de investidores em fevereiro último. A galera está ansiosa para experimentar!!