Skip to main content

#056 - Muro de Donald Trump ganha racional econômico nas mãos de conservadores

Boa quarta-feira amigos. A controversa proposta de construção "do muro" na fronteira do México com os EUA, alardeada por Donald Trump durante sua campanha à presidência em 2016, conta com pelo menos um racional econômico.

Everthon Garcia:
Se o muro fronteiriço de 18 bilhões de dólares proposto por Trump limitar as travessias ilegais de fronteiras em apenas 12% durante a próxima década, a estrutura seria amortizada com a economia dos impostos provenientes dos custos com bem-estar, educação, e os reembolsos das taxas concedidas aos imigrantes ilegais do México e da América central, conforme mostra o relatório do Centro de Estudos de imigração. Se a barreira impedir somente 50% de cruzamentos ilegais, pouparia aos contribuintes norte-americanos 64 bilhões de dólares, mais de quatro vezes o custo do muro.
Além disso, parece fazer bastante sentido que o custo de medidas restritivas como o aumento das barreiras na fronteira seja mais baixo do que o esforço de deportação de enormes contingentes de pessoas todos os meses como demonstram os dados abaixo:

Data: Immigration and Customs Enforcement via FOIA office; Chart: Andrew Witherspoon / Axios

- Dois empresários russos estariam por trás da join venture responsável pela criação da criptomoeda venezuelana Petro, segundo a revista Time. A iniciativa seria uma forma de contornar as sanções aplicadas pelos EUA desde março de 2015 ao governo da Venezuela, segundo uma ordem executiva emitida por Donald Trump nesta segunda-feira (18/2). A criptomoeda começou a ser vendida nesta terça-feira (20/3).

Simon Shuster (Time):
Both men have ties to major Russian banks and billionaires close to the Kremlin. But they were not the most senior Russians involved. According to an executive at a Russian state bank who deals with cryptocurrencies, senior advisers to the Kremlin have overseen the effort in Venezuela, and President Vladimir Putin signed off on it last year. 

Empresas da Economia Digital

- "Subscribe with Google" é um novo serviço anunciado pelo pessoal de Mountain View nesta terça-feira. A ideia básica é facilitar a assinatura de publicações aos seus usuários. Um paywall centralizado para quem odeia fazer diversos cadastros e gerenciar um número de pagamentos. Tem lá o seu apelo, acho que vai rolar. Mais que isso, um serviço como esse tem o potencial de, no futuro, oferecer assinaturas "bundle"; quem sabe o usuário poder montar a sua própria edição diária com a editoria de política do NY Times, + a de esportes do Jornal Marca, + a Wired para as notícias de tecnologia. Não seria o melhor dos mundos? Espero que já tenham engatilhado isso!

Carros autônomos, elétricos e de competição

- Elon Musk quer estabelecer cooperação entre a Tesla e a israelense Cortica na área de inteligência artificial. A tecnologia de que dispõem permite que carros autônomos identifiquem e tomem decisões acerca de partes móveis no ambiente, além de prever possíveis mudanças no entorno. Os carros da Tesla, assim como os da Uber estão no nível 3 de autonomia (o motorista precisa estar alerta). Por isso, o software e o hardware não precisam ser muito sofisticados. Os Nvidia's Drive PX2 utilizados hoje não atendem o nível 4 e precisam ser substituídos, segundo a empresa. 

- A Toyota também parou temporariamente os testes com seus veículos autônomos nas ruas dos EUA alegando respeito aos seus motoristas de testes. "Our thoughts are first and foremost with the victim's family", declarou um porta-voz da empresa. A decisão foi tomada um dia após a morte de uma pedestre por um veículo autônomo da Uber no Arizona.   

- A Apple já conta com 45 veículos autônomos de teste na Califórnia, segundo o Financial Times nesta terça-feira (20). Na relação do Department of Motor Vehicles da Califórnia, depois da Apple aparecem: Tesla (39), Uber (29) e Waymo (24). As duas últimas transferiram boa parte da sua frota para o Arizona, estado que oferece atualmente melhores condições para realização de testes e futura implementação de serviços. Analistas trabalham com a expectativa de que Cupertino irá entregar uma plataforma de serviços de ridehailing em parceria com terceiros ou reverter o aprendizado para produzir o design de veículos elétricos próprios com produção através de terceiros.


São Paulo, 21 de março de 2018