Skip to main content

#087 - Tim Cook surpreende: forte trimestre foi largamente devido ao iPhone X

Boa quinta-feira galera. Tim Cook surpreendeu boa parte dos analistas e jornalistas tech ao afirmar que "o forte trimestre (Q2/18) foi largamente devido ao iPhone X e a divisão de acessórios". Havia (há ainda?) um consenso de que as vendas do X estariam inibidas por conta do valor ($999 USD) estar acima do que os consumidores estão dispostos a pagar. Tim Cook contradiz a visão negativa do mercado, porém, há razões para isso.

Ed Hardy (cultofmac):
Predictions of doom for the iPhone X began a few months ago. Analyst after analyst said they’d been told by sources in Asian component suppliers that demand for smartphone parts was down. This was taken to mean that the iPhone wasn’t selling, a conclusion the analysts reported to investors and the press. But the analysts were jumping to a conclusion based more on their own assumptions than the evidence. Samsung said it was experiencing slow demand for its OLED displays, and an analyst assumes it’s because no one is buying the iPhone X. iPhone chip maker TSMC’s revenue declined in Q1, and analysts assume this means that demand for all Apple’s phones is declining.




crédito: Apple

- A área de serviços da Apple também merece destaque positivo nos resultados do Q2. Em 2018 as receitas com apps, games, TV show, música e vídeos em geral, cresceram 31% em relação a igual período de 2017, passando de 13,3% para 15% das receitas da empresa. 

Apple’s content business has become a surprise success for the company, managing to break out of the generally cyclical nature of Apple’s earnings, and chalking up five consecutive quarters of growth. It’s now the company’s second-largest business, behind the iPhone. Over the past year, Services has generated nearly $33.5 billion in revenue for Apple, which would put it 87th on the list of Fortune 500 companies, just below American Express. Netflix has generated roughly $12.8 billion in that same period.

crédito: Apple


Empresas da Economia Digital

- A Cambridge Analytica está encerrando suas operações nesta quarta-feira (2/5). A empresa tem perdido clientes e enfrentado perdas em processos legais por conta do mau uso dos dados coletados. A CA já estaria pedindo ao seu pessoal para devolver os computadores, segundo o WSJ.




-  Ainda como repercussão do caso Facebook-Cambridge Analytica e dos depoimentos de Zuckerberg no Congresso, o FB começou a divulgar como usa a inteligência artificial para banir terrorismo, contas falsas, discurso de ódio, etc, da rede. O tema está em alta na conferência anual de desenvolvedores (F8) esta semana. A comunidade reporta algo como dezenas de milhões de denúncias acerca de conteúdo potencialmente objetável, segundo Guy Rosen, VP de desenvolvimento de produtos do Facebook.


Inteligência Artificial

- Ainda que os planos da França não incluam investimentos pesados em pesquisa e desenvolvimento de AI, o orçamento previsto até 2022 está na casa do $1.8 bi USD. Com foco em dados, o governo Macron quer fazer com que empresas privadas liberem caso a caso seus dados para uso em projetos de inteligência artificial. Me ocorreu uma abordagem do governo à organizações como Google e Facebook requisitando dados para suas pesquisas. Não vou me surpreender se isso vier a ocorrer no futuro próximo. A ver.  



São Paulo, 3 de maio de 2018