Skip to main content

#139 - Parlamento britânico aprova regras alfandegárias defendidas por eurocéticos

Boa quarta-feira galera. As regras aprovadas nesta segunda-feira (16/7) por 305 votos a 302 foi mais uma vitória da ala favorável ao Brexit dentro do Partido Conservador. Deputados eurocéticos liderados por Jacob Rees-Mogg apresentaram, de última hora, quatro emendas ao texto de Theresa May definindo, dentre outros pontos, que o governo britânico não irá coletar taxas e tarifas alfandegárias para Bruxelas a não ser que haja reciprocidade da UE. Na proposta original de May os produtos que passassem pelo território britânico tendo como destino final a UE deveriam ser taxados pelas regras da UE, mas não explicitava como seria a taxação no caso contrário. Com as emendas, a União Européia terá que aceitar as taxas britânicas. Falta agora combinar com os "russos", digo, Bruxelas.


crédito: sky news

EP #138 (16/7):
   Líderes da iniciativa privada avisaram à Primeira-ministra Theresa May, por meio de uma carta não publicada, que a legislação alfandegária proposta não é adequada aos propósitos do Brexit.   

Thomas Colson (Business Insider):
The letter warned that the government had failed to consult sufficiently with industry figures on the Customs Bill, said the legislation contained multiple instances of "ambiguous or conflicting wording," and offered over twenty examples of lines in the bill which could cause significant problems to customs arrangements if implemented.
"We do not believe that there has been sufficient consultation with businesses and industry in developing the primary legislation," the document warned in notes addressed to government officials who sit on the Joint Customs Consultative Committee (JCCC).
"The general view of the JCCC trade members is that the primary legislation is "not fit for purpose" and many aspects remain unclear, for example, with regards to transitional arrangements," it said.

2  Insegurança jurídica "for dummies":

3  Enquanto isso, na corrida eleitoral, Ciro Gomes (PDT) manda seu assessor Mauro Benevides falar com o economista Cláudio Adilson Gonçalez, indicado pelo DEM, para tentar encontrar pontos em comum que permitam aos dois partidos fechar uma aliança. Caso isso aconteça com DEM se deslocando à esquerda, o partido de Maia poderá estar cometendo o seu suicídio político. Ciro Gomes é aquele que defende o fim do acordo Boeing - Embraer e que vai  trabalhar pela revogação da reforma trabalhista implantada pelo governo Temer (sic).
4  Está em curso no Congresso uma articulação para aumentar o teto constitucional de salários de R$33,7 mil para R$38 mil. Os beneficiados, é claro, serão os próprios deputados e senadores. Mas não pensem que essa proposta irá para o plenário antes das eleições. Resta agora descobrir quem são os candidatos contrários a essa farra e considerar nosso apoio nas próximas eleições.  

5  Em meio a infindável discussão acerca da influência da Rússia nas últimas eleições americanas, as atenções agora se voltam para uma carta enviada ao senador Ron Widen (D-OR) em abril, na qual a maior fabricante de máquinas de votação no país reconheceu ter fornecido o software de conexão remota da pcAnywhere para um pequeno número de clientes entre 2000 e 2006. O problema é que a presente declaração se contradiz a uma afirmação anterior publicada pelo New York Times em fevereiro.

The statement contradicts what the company told me and fact checkers for a story I wrote for the New York Times in February. At that time, a spokesperson said Election Systems and Software (ES&S) had never installed pcAnywhere on any election system it sold. "None of the employees, … including long-tenured employees, has any knowledge that our voting systems have ever been sold with remote-access software," the spokesperson said.
ES&S did not respond on Monday to questions from Motherboard, and it’s not clear why the company changed its response between February and April. Lawmakers, however, have subpoena powers that can compel a company to hand over documents or provide sworn testimony on a matter lawmakers are investigating, and a statement made to lawmakers that is later proven false can have greater consequence for a company than one made to reporters.



São Paulo, 18 de julho de 2018