Skip to main content

#145 - Marte pode ter um lago com 20 km de largura dizem os cientistas da ESA

Boa quinta-feira galera. A descoberta do que pode ser um lago abaixo da superfície de gelo no polo sul marciano foi interpretada por pesquisadores como "um corpo estável de água líquida em Marte". A matéria foi publicada pela Science nesta quarta-feira (25/7). 

Abstract (Science): Radar evidence of subglacial liquid water on Mars
We surveyed the Planum Australe region using the MARSIS (Mars Advanced Radar for Subsurface and Ionosphere Sounding) instrument, a low-frequency radar on the Mars Express spacecraft.
Radar profiles collected between May 2012 and December 2015 contain evidence of liquid water trapped below the ice of the South Polar Layered Deposits.
Anomalously bright subsurface reflections are evident within a well-defined, 20-kilometer-wide zone centered at 193°E, 81°S, which is surrounded by much less reflective areas. Quantitative analysis of the radar signals shows that this bright feature has high relative dielectric permittivity (>15), matching that of water-bearing materials. We interpret this feature as a stable body of liquid water on Mars.

imagem do radar [com a água em azul] + fotomontagem da sonda Mars Express
 apontando para o local da descoberta no polo sul do planeta. Crédito: ESA, INAF, Graphic Rendering by Davide Coero Borga - Media INAF / Mashable


Empresas da economia digital

2   Se as previsões da KGI estiverem corretas a Apple pode estar perto de lançar um headphone com marca própria ainda em 2018. E a depender das expectativas dos exigentes fãs da marca, a Maçã terá que aparecer com muito mais do que uma troca de etiquetas dos produtos da Beats e alguma cosmética no design. Dito isso, e considerando a tecnologia que a Apple domina [incluindo as patentes que detém], é bastante razoável esperar um produto que traga alguns dos conceitos idealizados há um par de anos atrás como o "spatial headphone transparency" ou "acoustic transparency". Não conhecem? Então vejam do que se trata. 

Apple has come up with a way it thinks could provide headphone and earphone users the optimal listening experience, using a variety of signal processing techniques to make the sound seem like it is being heard without the use of headphones at all. 
Granted by the U.S. Patent and Trademark Office on Tuesday and initially filed on September 22, 2016, the patent for "Spatial headphone transparency" describes ways a pair of headphones could adjust the sound from an audio source, changing the way the user hears it.
Apple uses the term "acoustic transparency," which it also refers to as transparent hearing or a "hear through mode," where a headset picks up ambient sound from the local environment of the wearer then, after processing, includes it in the audio feed that is played to the wearer. If performed correctly, this could make the user's listening experience "as if the headset was not being worn."  

A Apple está desenvolvendo um headphone com marca própria. O acessório terá foco em qualidade de áudio, segundo informações obtidas por Ming-Chi Kuo da KGI Securities, um analista com excelente reputação em prever os futuros produtos da Maçã. O headphone será similar àqueles produzidos pela sua subsidiária Beats, [possivelmente usando o upgrade do mesmo chip previsto para os AirPods], porém Kuo não entra em mais detalhes. Pode ser lançando ainda em 2018.

3   E por falar em Apple, dados publicados nesta quarta-feira (25/7) dão conta da performance espetacular da empresa nos últimos 3 meses. As vendas de iPhones subiram 5,9% alcançando o share de 38,7% nos EUA. Os iPhone 8 e iPhone 8 Plus lideraram as vendas com quase 1 em cada 5 aparelhos, enquanto o iPhone X foi o quarto aparelho mais vendido no período. 

Dominic Sunnebo (Kantar's G. S. Insight):
Apple continues to wield huge power in the US market, with iPhone models making up eight out of the ten best-selling models in the past three months.

 4   Resultados financeiros do Facebook deixaram o mercado um tanto nervoso ao longo desta quarta-feira (25/7). As propriedades de Zuckerberg não atingiram algumas expectativas do mercado o que provocou a fuga de investidores no pregão e no after-hours. Os preços em queda atrairão outros investidores e em poucas semanas a situação deve voltar ao normal. Vamos acompanhar.

crédito: Google Search


Rhett Jones (Gizmodo):
Here’s a little run down of what went wrong:
  • Facebook’s core network has been flat in the U.S. and Canada for four quarters straight.
  • Analysts expected 1.48 billion worldwide daily users based on a Bloomberg average. Facebook delivered 1.47 billion daily users.
  • Average projections expected $13.3 billion in revenue; it turned out to be a lowly $13.2 billion.
  • Average revenue per user turned out to be $5.95 instead of the $5.97 that Wall Street wanted.

Se há algo a se preocupar nesse momento, e isso vale para nós brasileiros, são as ações do Facebook nos últimos dias que resultaram na suspensão de dezenas de perfis de ativistas políticos [e.g. MBL] ligados a movimentos liberais e conservadores. O Facebook, que já vem sendo investigado pelo Ministério Público Federal desde 2017, foi instado nesta quarta-feira (25/7) a dar explicações no prazo de 48 horas com relação as ocorrências de censura relatadas por usuários afetados. A ver. 


Economia e política 

5   Repercutiu negativamente por grande parte da mídia nacional a entrevista do coordenador do plano de governo do PT, Fernando Haddad, concedida aos jornais Folha de São Paulo e Estado de São Paulo nesta terça-feira (24/7). As "barbaridades", como qualificou Alexandre Schwartsman em seu artigo, se espalharam por várias áreas, e remetem às práticas dilmistas aplicadas à economia, ao surrado "controle social da mídia" e às críticas ao atual entendimento do STF acerca da prisão em segunda instância.       

Ao falar do programa de governo, a impressão que Haddad passou foi a de quem está mais preocupado em agradar à militância do que em propor soluções para os desafios que o país enfrenta. Segundo o ex-prefeito de São Paulo, uma das prioridade seria reduzir a concentração da propriedade de veículos de comunicação no Brasil, com o objetivo de aumentar a diversidade, especialmente nos meios eletrônicos. Não se discute a relevância do tema, mas é fácil perceber que a inclusão no programa petista só serve para animar quem culpa a Rede Globo pela prisão de Lula e os que sonham com mecanismos de controle da liberdade de expressão.
O Antagonista:
A Folha de S. Paulo evitou a cilada de Fernando Haddad e, em editorial, denunciou o plano petista de censurar a imprensa.
Vera Magalhães (JP):
"Haddad fala de uma coisa que é a regulamentação mas aponta para o que eles querem de fato que é tutelar conteúdo, conteúdo de imprensa, o resto é balela... [O programa de governo] é a volta do "dilmismo" em seu estado puro e querendo ainda afetar alguma liberalidade onde não há nenhuma".


“Não aprenderam nada e não esqueceram nada” foi a primeira coisa que me passou pela cabeça ao ler a entrevista de Fernando Haddad ao Pravda, perdão, Valor Econômico no início da semana. Não vou me aprofundar nas barbaridades proferidas acerca da “radicalidade liberal”, nada mais que o velho “controle social da mídia” (sob novo nome) nas pegadas do sinistro Franklin Martins, nem acerca da curiosa afirmação sobre a inconstitucionalidade da prisão em segunda instância com base em decisão que Fernando imagina que o STF (Supremo Tribunal Federal) tomará em algum momento.

5   Liberalismo "for dummies":


São Paulo, 26 de julho de 2018