Skip to main content

#158 - Status? Não precisamos de mais uma rede social

Boa terça-feira galera. Disponível no Google Play e na App Store desde fevereiro, o Status é uma rede social que nasceu com o objetivo de desafiar as grandes plataformas já estabelecidas no mercado. Mais especificamente no caso do  Status o alvo é o Instagram. "Começar uma rede social do zero é uma tarefa quase tão difícil quanto ganhar na loteria", disse Bruno Santana em seu artigo desta segunda-feira para a MacMagazine. Na verdade não é bem assim. Você pode, com um bom aporte financeiro criar e manter uma rede dessas em funcionamento quase que indefinidamente. A dificuldade é monetizar o sistema e torna-lo sustentável.


crédito: Perfil We

Rodrigo Ghedin (Gazeta do Povo):
O Status, sua rede social, já nasce com um objetivo: ser maior que o Instagram, o que significa ter mais de um bilhão de usuários. O Status lembra o Instagram e replica a maioria das funcionalidades do rival mais famoso, inclusive algumas recentes como os Stories, ali chamados Moments, e a vídeo chamada entre usuários, que funciona surpreendentemente bem... o grande destaque do Status: a geolocalização. “Sempre acreditei que toda cidade merece ter uma rede social exclusiva. Então, criamos a rede social Status, que pode ser tanto mundo, país, estado e cidade, e, em breve, poderá ser bairro e empresa”, explicou (Oziel Figueiredo, o brasileiro fundador e CEO da empresa). É o tipo de marcação de lugar que o Instagram — e toda rede social — oferece, mas que no Status é obrigatória e molda a experiência de uso.

Com relação ao objetivo "ser maior que o Instagram", só posso imaginar que se trate de uma brincadeira do autor do texto ou mesmo uma aposta na ingenuidade dos seus leitores. Ocorre que esse espaço já está ocupado há anos por mega empresas como Facebook, Google e outras que é até desnecessário considerar para fins de comparação. Por fim, o mundo não precisa de mais uma rede social. Pelo contrário, já temos problemas até demais com as que rolam por aí.

Economia e política

2   Crise na economia turca já afeta moedas de países emergentes. No Brasil o dólar chegou à R$3,92 fechando o dia em R$3,88. A capacidade do nosso Banco Central de suportar pressões desse nível não preocupa o mercado. Há risco, no entanto, do problema se alastrar para outras economias emergentes e os investidores se voltarem para a compra de títulos americanos mais seguros e mais rentáveis. Nosso vizinho, Argentina, elevou a taxa de juros básica para 45%, a maior do mundo.  

Eleições 2018

3   Sim, é preciso melhorar a remuneração dos professores, mas ela deve ser atrelada a resultados na qualificação dos alunos. O problema com o discurso de socialistas demagogos é que termos como: "resultado", "produtividade" e "meritocracia", dificilmente são encontrados em suas agendas de campanha.

4   Marina Silva, hoje na disputa direta pela outra vaga na passagem para o segundo turno, não tem interesse em trazer Amoêdo para os debates, ainda mais com tantos eleitores indecisos a serem fisgados.



5   E de repente incluir na referida discussão propositores como o mentor do plano de educação do presidenciável Alckmin, que baseia suas ideias em aprendizados com o "inesquecível Paulo Freire" (sic).


6  Urnas eletrônicas de votação são motivos de suspeitas em todo o mundo. Nos EUA não é diferente, vejam o vídeo. No caso do BR, o agravante é que não há um meio seguro de auditar o processo. Nas próximas eleições, considerem votar em quem luta por maior transparência nas apurações.


7  Rosa Weber assume nesta terça-feira (14/8) a presidência do Tribunal Superior Eleitoral. A ministra estará no comando das eleições.


São Paulo, 14 de agosto de 2018