Skip to main content

#218 - Reabastecer satélites no espaço: uma ideia ambiciosa

Satélites que custam centenas de milhões de dólares ainda com capacidade operacional têm sido abandonados no espaço por falta de combustível. O custo de reabastecimento sempre foi proibitivo, mas isso agora pode mudar.

A Effective Space Solutions, uma empresa fundada em Israel e com headquarter no Reino Unido, está empenhada em resolver essa questão. Aumentar a vida útil dos satélites significa tornar mais baratas as operações no espaço. O telescópio Kepler é um dos equipamentos que poderiam  se beneficiar com o reabastecimento espacial.


EP #210 (16/10):
Após algumas semanas fora de operação, o Kepler volta a ser ativado pela equipe da missão. Essa passou a ser a rotina do famoso telescópio da NASA que pode completar 10 anos de serviço em maio de 2019. Nesse período, o Kepler superou um grave problema em seu sistema de orientação e por pouco não foi aposentado prematuramente.
Agora, com seus estoque de combustível no final, a NASA faz manobras operacionais visando estender a vida útil do telescópio o quanto possível. Reabastecer [ainda] não é uma opção.

crédito: Astronomy Chronicle
Matt Burgess (Wired):
All of the efforts to refuel satellites are subtly different but largely involve the same method. A fuelling system is strapped to a rocket and fired into orbit, it then meets up with a target satellite and attaches itself.
The system is turned on and keeps the satellite on its correct trajectory and extends its life by several years. Effective Space calls its refuelling system a space drone and Halsband likens it to a jetpack for satellites.
In January this year the firm announced it had signed a $100 million contract with a currently unnamed satellite manufacturer to produce two drone refuelling systems that will launch in 2020.

O seguinte vídeo da Effective Space Solutions simula um satélite conectado ao tubo de alimentação de combustível do futuro sistema de reabastecimento.





São Paulo, 18 de outubro de 2018