Skip to main content

#220 - Ryugu: coleta de amostras do asteroide ainda se mostra perigosa

A sonda Hayabusa2 pode precisar de uma área de apenas 10 metros de largura para tocar a superfície (touch down) do asteroide e realizar a coleta, concluiu o comando da missão após um ensaio realizado pela sonda no último dia 15/10.

Pelo plano original, a agência espacial japonesa (JAXA) esperava encontrar uma área de 50 metros de largura e com nada mais alto do que 50 cm no local. De ponta a ponta a sonda tem 6 metros de largura.

Circulado em vermelho o possível local
com 20m de largura. Crédito: JAXA

EP #208 (13/10):
Após o bem sucedido envio de dois rovers [Minerva-II-1] e de um pousador [MASCOT] para a superfície do asteroide Ryugu, a sonda japonesa Hayabusa2 pode não executar a terceira e mais importante etapa de sua missão. Pelo menos por enquanto.
Até o final de outubro a sonda deveria realizar um rápido pouso no asteroide e coletar material para ser trazido na viagem de volta à Terra. No entanto, o pessoal do programa espacial japonês (JAXA) não está encontrando um local adequado para descer.
"Esperávamos que a superfície fosse lisa, mas parece que não há uma área plana para o pouso", disse o gerente do projeto Hayabusa2, Yuchi Tsuda. A superfície parece totalmente coberta de pedras e pedregulhos que dificultariam o pouso da espaçonave.
O procedimento foi, assim, reprogramado para final de janeiro de 2019.

Jason Davis (Planetary Society):
The touch down has been delayed as Ryugu and Hayabusa2 prepare for solar conjunction, a roughly month-long blackout period where thy are on the opposite side of the sum from Earth. 
"Once the angle between the spacecraft, Earth and Sun is less than about 6 degrees, the radio noise from the Sun interferes with communication too much to send a signal to Hayabusa2," said Elizabeth Tasker, an associate professor at the Japanese Aerospace Exploration Agency, JAXA.
"As that angle shrinks even more, there is also a point where the Sun is physically in the way."
JAXA officials say the delay will give them more time to study Ryugu's surface in preparation for touchdown, while learning more about the performance of their spacecraft.






São Paulo, 19 de outubro de 2018