Skip to main content

#255 - SpaceX: Falcon Heavy pode ser competitivo afinal

Os contratos fechados para lançamento de satélites utilizando o Falcon Heavy são a prova do sucesso do teste realizado em fevereiro último pela SpaceX - que colocou um roadster da Tesla na órbita do Sol - e atestam a competitividade do mais poderoso veículo espacial atualmente em operação.

crédito: SpaceX

EP #026 (7/2):
A SpaceX realizou o lançamento do Falcon Heavy às 18:45h (Brasilia) nesta terça-feira (6/2) após alguns adiamentos no horário. O veículo Roadster acoplado ao foguete entrou em órbita da Terra para em seguida ser arremessado em direção a órbita de Marte onde ficará pelos próximos milhares de anos.
O sucesso dos testes realizados com o Heavy, uma vez confirmado, abre as portas para voos de transporte orbital de baixo custo, algo como $90 MM USD por lançamento para cargas de até 70 toneladas e, no futuro, para envio do material a ser usado na montagem da primeira colonia de humanos em Marte.

Visando o período entre 2020 e 2022, a americana ViaSat e a finlandesa Ovzon escolheram o Falcon Heavy para colocar em órbita seus satélites que irão prover serviços de internet a partir do espaço. Junte-se a elas, a ArabSat, a Inmarsat e a US Air Force que já contratou duas missões, sendo que uma delas foi comprada por $130 MM USD.

Tim Fernholz (Quartz):
Satellite market analysts have been skeptical about the Falcon Heavy’s ability to get into the black because of softness in the market for the kind of large geostationary satellites it is designed to fly.
But industry sources predict that it would win launch contracts from the US government because it is significantly cheaper than the other American heavy-lift rocket, United Launch Alliance’s Delta IV.

Para o horizonte de 2023 já é possível prever a chegada de uma versão mais poderosa do atual Vulcan Centaur da United Launch Alliance (ULA) ainda em construção, mas até lá o Falcon Heavy deve se manter como uma escolha competitiva para os lançamentos de segurança nacional demandados pelo governo americano.




São Paulo, 11 de novembro de 2018