Skip to main content

#266 - Lua ou Marte? Os próximo passos estão longe de ser uma unanimidade entre os especialistas

Apoiadores das missões com destino à Marte alegam gastos desnecessários com o retorno de astronautas à Lua, ou mesmo com a realização de atividades no espaço cislunar, como é o caso da construção da estação espacial Gateway.

Jeff Foust (Spacenews) - citando o relatório final de um workshop realizado em dezembro de 2016 pela Explore Mars e pela American Astronautical Society:
Both were judged unnecessary, costly, and at present almost entirely devoid of sufficient engineering designs, trade studies, comparison with terrestrial supply, technology development plans that included launch vehicles in the lunar environment, and return on investment.”
Já os defensores da exploração lunar apostam na experiência que pode ser acumulada com a realização de diversos projetos na Lua, incluindo a busca de recursos para as futuras missões à Marte, além de endereçar desafios e riscos envolvidos com as tecnologias que serão utilizadas na exploração do Planeta Vermelho.

Rick Davis (NASA, assistant director for science and exploration):
I was actually skeptical of it, but there are significant crossovers. We got really smart about what we need for Mars.
Going to the moon isn’t a requirement for going to Mars, but if those missions will take place anyway for other reasons, you can use the moon very creatively to enable Mars.
We believe there are significant gains to be had, but you’ve got to manage it, because otherwise you can get bogged down and not press on to Mars,” 

James Garvin (chief scientist at NASA’s Goddard Space Flight Center):
The moon is the ultimate deep space — no Van Allen Belts — practice place in the solar system. What does the moon offer?
It offers that proving ground and training experience to fix the systems so that they work for three years at Mars versus two weeks at the moon. I think the moon is linked to Mars.

Quanto à estação espacial Gateway (que deve ficar pronta antes do próximo astronauta da NASA voltar à Lua), trata-se de uma "arquitetura estúpida", diz Michael Griffin, ex-administrador da Agência.

Gateway, crédito: NASA

EP #260 (16/11):
Para Griffin, a Gateway, deveria ser precedida do retorno de humanos à superfície lunar. Para o ex-administrador da NASA, não há necessidades de engenharia para a estação, e alerta, que a China e Rússia, estariam desferindo um golpe geopolítico ao levar seus astronautas à Lua antes do retorno dos EUA.

Apesar das divergências de opinião, os projetos seguem de acordo com planos da NASA aprovados junto ao Congresso americano no início desse ano.

EP #079 (23/4):
O Congresso dos EUA aprovou os recursos de 2018 e 2019 para a NASA realizar a visão do Presidente Trump de manter a liderança do país na área espacial dando continuidade aos projetos Orion, Space Launch System e iniciativas junto ao setor privado.
A mais interessante das metas estratégicas citadas é a que se refere ao Lunar Orbital Platform-Gateway (LOPG) - uma plataforma na órbita da Lua para estudo do satélite da Terra e do deep space. Eventualmente, a LOPG será utilizada como base intermediária para as viagens à Marte. 
Os primeiros astronautas chegarão em 2025 a bordo de uma cápsula Orion atrelada a um módulo de serviço - European Service Module (ESM) - construído pela Agência Espacial Européia (ESA) / Airbus. Ambos serão levados ao espaço por um foguete Space Launch System (SLS). 



São Paulo, 21 de novembro de 2018