Skip to main content

#270 - China lança satélites visando missão Chang'e-4 para o lado oculto da Lua

Dois satélites de comunicação Beidou foram enviados para a uma órbita média da Terra (MEO) a 21,5 mil km de altitude. O sucesso da missão, realizada no último domingo (18/11), foi confirmado pela China Aerospace Science and Technology Corporation (CASC) quatro horas após o lançamento. A CASC é a principal contratada da SASTIND - agência espacial chinesa, para o seu programa espacial. 

Foguete Long March 3B, crédito: CASC

Os dois satélites completam o sistema necessário para que o pousador Chang'e-4 [que ficará posicionado no lado oculto da Lua] mantenha comunicação com o controle da missão na Terra. 

The Chang’e-4 spacecraft, consisting of a 3.6-metric-ton lander and a 140-kilogram rover. 
The landing will take place in late December or early January, following sunrise over the Von Kármán crater and the beginning of a period of sunlight over the landing area lasting 14 Earth days.

Lander Chang'e-4, crédito: CASC

EP #161 (17/8):
A agência espacial chinesa (SASTIND) apresentou nesta quarta-feira (15/8) o veículo autônomo que será usado para explorar o lado oculto da Lua em dezembro deste ano. 
lunar rover, crédito: CASC
O rover, ainda sem denominação, será levado pela nave não tripulada Chang'e-4 e deverá alunizar numa cratera da bacia Aitken situada no polo sul do satélite.
A e-4 foi manufaturada como um backup para a nave Chang'e-3 que colocou um pousador e um rover no Mare Imbrium em dezembro de 2013. Essa missão seguiu duas outras enviadas em 2007 e 2010.
Para se comunicar com a Terra a partir do lado oculto, o rover irá utilizar o satélite Queqiao que se encontra posicionado numa órbita que lhe garante uma linha de visada permanente com satélites na órbita da Terra. 
Além de diversos equipamentos de análise e câmeras, o rover levará uma pequena biosfera com experimentos criados por 28 universidades chinesas.



São Paulo, 23 de novembro de 2018