Skip to main content

#294 - Voyager 2 alcança o espaço interestelar repetindo o feito de sua parceira em 2016

Dois anos após o feito realizado pela sonda Voyager 1, a Voyager 2 acaba de ultrapassar os limites da heliosfera - a bolha de proteção constituída por partículas e campos magnéticos criados pelo Sol.

A Voyager 2 foi lançada em 1977, 16 dias antes da Voyager 1. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira (10/12) pela NASA.

Importante lembrar que o espaço interestelar não é limite do Sistema Solar. O limite do Sistema Solar, de acordo com a astronomia, está além da borda externa da Nuvem de Oort - uma coleção de pequenos objetos que ainda estão sob a influência da gravidade do Sol. Estima-se que a largura da Nuvem de Oort (NO) comece a 1 mil unidades astronômicas (UA) e se entenda acerca de 100 mil UA. Baseado nesse estimativa a Voyager 2 alcançará a borda interna da NO em cerca de 300 anos e 30 mil anos para voar além dela.

Release 18-115 (NASA):
Voyager 2 now is slightly more than 11 billion miles (18 billion kilometers) from Earth. Mission operators still can communicate with Voyager 2 as it enters this new phase of its journey.
The most compelling evidence of Voyager 2’s exit from the heliosphere came from its onboard Plasma Science Experiment (PLS). Until recently, the space surrounding Voyager 2 was filled predominantly with plasma flowing out from our Sun. 
Crédito: NASA/JPL-Caltech

This outflow, called the solar wind, creates a bubble – the heliosphere – that envelopes the planets in our solar system. The PLS uses the electrical current of the plasma to detect the speed, density, temperature, pressure and flux of the solar wind.
The PLS aboard Voyager 2 observed a steep decline in the speed of the solar wind particles on Nov. 5.
Since that date, the plasma instrument has observed no solar wind flow in the environment around Voyager 2, which makes mission scientists confident the probe has left the heliosphere.


EP (set/16) Voyager 1:
Oficialmente a sonda Voyager1 se tornou o primeiro artefato terrestre a ultrapassar o limite de uma das camadas do sistema solar, assim anunciou a NASA esses dias. Em seu interior viaja um disco de ouro, com imagens e sons compilados por Carl Sagan, selecionados de modo a mostrar a quem o encontrar, o nosso lugar no universo, quem somos, como evoluímos enquanto espécie e outras características de nossa cultura.