Pular para o conteúdo principal

#308 - InSight: acompanhe a timeline de ativação dos instrumentos em Marte

Passados 24 dias marcianos (sols), recebemos as primeiras imagens do sismômetro da missão sendo posicionado a pouco mais de 1,6 metro de distância do pousador InSight.

Os passos seguintes, segundo o timeline divulgado pela NASA, são: nivelar o instrumento [que está em um local com inclinação muito suave entre 2 e 3 graus] e cobri-lo com uma cúpula para proteção contra as fortes variações de temperatura e do vento [vide Sols 32-43 abaixo]. 

SEIS (sismômetro). Crédito: NASA

  • Sols 0 - 5: inicialização do módulo e preparação para implantação dos instrumentos.
  • Sols 6 - 18: caracterização pelas câmeras do espaço disponível para posicionamento dos instrumentos e seleção dos locais potencialmente mais adequados para implantação.
  • Sol 7 (ciência): iniciação da coleta de dados RISE* (geodésia).
  • Sols 19 - 31: implantação do sismômetro SEIS**. Início das medições no modo de engenharia.
  • Sols 32 - 43: implementação do Wind and Thermal Shield ( WTS ) do sismômetro. Início das medições científicas do SEIS (monitoramento) do sol 40.
Braço robótico cobrindo o sismômetro com o WTS. Crédito: NASA 
  • Sols 44 - 58: implantação do conjunto HP3*** . Retorno do IDA (braço robótico) à sua posição retida no pousador.
  • Sols 59 - 69: início das operações com a perfuratriz HP3 .
N.E. 1 sol = 24h 39min 35seg na Terra


ANEXOS:

* Rotation and Interior Structure Experiment (RISE): o InSight possui duas antenas que emitem sinais de banda X a serem medidos ao longo de meses e até anos, visando a determinação de oscilações na rotação do planeta. O estudo de tais oscilações, pode determinar se o núcleo de Marte é sólido ou líquido. Com isso, os cientistas irão entender melhor os efeitos do fino campo magnético do planeta.

** Seismic Experiment for Interior Structure (SEIS): responsável por medir tremores em qualquer lugar de Marte, incluindo ondas sísmicas criadas por terremotos (marsquakes) e choque de meteoritos enquanto elas se movem pelo interior do planeta. A velocidade com que as ondas se propagam determina o tipo de material que elas estão atravessando, ajudando, com isso, os cientistas a deduzirem do que o interior do planeta é feito. O SEIS é sensível o bastante para detectar vibrações menores do que a largura de um átomo de hidrogênio, sendo milhares de vezes mais acurado em suas medições do que os sismômetros enviados junto com as sondas Viking nos anos 60. 

*** Heat Flow and Physical Propoerties Package (HP3): basicamente um termômetro que será enterrado a uma profundidade de 5 metros no solo do planeta, capaz de medir a emanação de calor em direção à superfície sem a interferência das variações atmosféricas. Um dos experimentos atribuídos ao HP3 é emitir pulsos de calor e medir como eles se distribuem pelo solo. 



São Paulo, 22 de dezembro de 2018