Pular para o conteúdo principal

#313 - Em busca de tecnoassinaturas NASA divulga resultado de workshop

Estamos sozinhos no universo? A busca por tecnoassinaturas é a mais nova estratégia da comunidade científica para obter essa resposta. Sob coordenação da NASA e com financiamento do Congresso dos EUA, o pontapé inicial das atividades foi dado em um workshop realizado em Huston, Texas, no último mês de setembro.

Dezenas de participantes representando organizações de pesquisa e universidades estiveram presentes no evento e subscreveram o relatório final.

Crédito: Business Insider

Jason Wright (NASA):
On September 26–28, 2018, NASA hosted the Technosignatures Workshop at the Lunar and Planetary Institute in Houston, Texas, to learn more about the current field and state of the art for technosignatures searches and what role NASA could possibly play in the future in these searches.

O relatório final, divulgado em 28/11 próximo passado, encontra-se no seguinte documento: NASA and The Search for Technosignatures. Curiosamente, o asteroide de origem extrasolar Oumuamua é citado no relatório, como um objeto eventualmente criado por uma civilização avançada. Confiram!

Crédito: NASA

Solar System Artifacts and Interlopers:
Most obvious is the investigation of hypothetical interstellar probes. For instance, the asteroid Oumuamua is of extrasolar origin and has been the subject of investigation as a potentially artificial object identification of more such “interlopers” is currently of high interest to planetary science and astronomy, as they provide a unique opportunity to study and potentially even collect samples from extrasolar asteroids and comets.
Their study as potential technosignatures thus naturally piggybacks on these studies of interlopers as natural objects. If such probes exist, it is possible that they might remain in the solar system, either by design or through accidental gravitational capture.

EP #192 (1/10):
Já faz um tempo que a NASA parou de investir na busca de vida extraterrestre inteligente. O projeto SETI foi a última das grandes participações da agência, lá em meados dos anos 90.
Desde então o SETI é mantido vivo por filantropos como Paul Allen, co-fundador da Microsoft, dentre outros. Recentemente o assunto voltou a tona, porém com outra abordagem e um outro nome.
O tema agora são as tecnoassinaturas, sinais que se observados nos fariam inferir a existência de vida tecnológica em algum lugar no universo. 
A nova investida da agência espacial americana acerca da busca de tecnoassinaturas foi anunciada na última terça-feira (25/9) por Thomas Zurbuchen, NASA's associate administrator.



São Paulo, 29 de dezembro de 2018