Pular para o conteúdo principal

#332 - Caças de 6a geração da US Navy podem ser uma variante dos F/A-18

O programa da marinha dos EUA, que desenvolve a próxima geração de caças de domínio aéreo, ultrapassou a fase puramente conceitual e entrou na fase de exploração de protótipos de sistemas e células. A US Navy quer dispor de caças de 6a geração em operação a partir de 2030.

Uma análise formal de alternativas é esperada em 2019 considerando determinar as vantagens de:
  • (a) alavancar no curto prazo as tecnologias existentes como novas variantes; 
  • (b) fazer upgrades utilizando tecnologias de ponta em armas, sensores e configurações furtivas; 
  • (c) aguardar um tempo e então dar um salto utilizando sistemas que ainda irão emergir.
6a geração (conceito). Crédito: Indian Defence Update

Kris Osborn (Defense Maven) citando Lt. Lauren Chatmas
Some important areas of consideration include derivative and developmental air vehicle designs, advanced engines, propulsion, weapons, mission systems, electronic warfare and other emerging technologies.

Segundo o especialista, algumas tecnologias furtivas de última geração atualmente em desenvolvimento - incluindo novas configurações de evasão de radar, materiais de revestimento e redução de assinatura térmica avançada - estão se aproximando rapidamente dos níveis de prontidão de combate. Fato esse que favorece a decisão pela alternativa (b) acima.

Além disso, uma série de sistemas já disponíveis com promessas significativas de longo prazo - utilizadas em F-35 otimizado para combate aéreo, o emergente B-21, o C-130 (lançador de drones e "weapons truck arsenal planes" - estão posicionados para otimizar o progresso das tecnologias atuais.

Segundo essa lógica, diz Osborn:
There simply might not be enough of a margin of difference in performance between the best upgraded platforms of today - and something entirely new which could be built in the next 10 years or so.

E por fim, Osborn deixa em aberto a questão: "Could these upgradable systems, fortified by new-iterations of stealth technology now being woven into the B-21, themselves be sufficient to propel naval aviation superiority for decades?".



São Paulo, 14 de janeiro de 2019


Assine o Feed        Apoie o Ex Post no Apoia.se