Pular para o conteúdo principal

Boeing revela update no software do 737 MAX em meio às investigações do acidente na Etiópia

Dados obtidos da caixa preta do Boeing 737 MAX 8 da Ethiopian Airlines sugerem que a queda da aeronave foi originada na falha do sensor de ângulo de ataque conforme suspeitas levantadas desde o acidente. Os mesmos sinais estavam presentes no caso anterior com o MAX 8 da Lion Air.

737 MAX 8 da Ethiopian Airlines. Crédito: BBC

Ex Post #408 (13/3):
No mais recente acidente, ocorrido no domingo (10/3), um voo do Ethiopian Airlines que fazia a ligação entre Addis Abeba e Nairobi, Quênia, caiu seis minutos após a decolagem. Nele seguiam 149 passageiros e oito tripulantes.
O piloto apontou "dificuldades" e tentou regressar ao aeroporto da capital etíope mas não conseguiu realizar as manobras necessárias. A empresa aérea publicou em seu perfil do Twitter que não há sobreviventes do acidente.
No acidente anterior, um 737 MAX 8 da Lion Air com menos de 3 meses de uso caiu na Indonésia 12 minutos após a decolagem. O voo partia de Jacarta, Indonesia. A queda da aeronave provocou a morte de 189 pessoas. 

O sensor de ângulo de ataque (AoA) do Ethiopian teria ativado incorretamente o sistema computadorizado (MCAS), segundo várias pessoas que tiveram acesso aos dados da caixa preta.

Ex-engenheiros da Boeing e da Rosemount [a fabricante do sensor] se disseram surpresos de que a Boeing iria permitir que um simples sensor ativasse um sistema crucial como o MCAS que aponta a aeronave em direção ao solo, segundo apurou o NY Times.

Investigadores do caso Lion Air em outubro, apuraram em seu relatório preliminar que um dos dois sensores de ângulo de ataque apontava 20 graus de diferença em relação ao outro quando a aeronave começou a subida.

A Boeing, por sua vez, reconhece tacitamente uma falha de design e revela um update no software para endereçar a questão.

James Glanz (NY Times):
MCAS was originally designed to activate based on data from a single angle-of-attack sensor, which measures the level of the jet's nose relative to oncoming air.
Air-safety experts, as well as former employees at Boeing and the supplier that made the sensor, have expressed concern that the system had this single point of failure, a rarity in aviation.
In tacit acknowledgment that the initial design was flawed, Boeing this week unveiled a software update that specifically addresses the concerns about MCAS and the sensors. American authorities will have to approve the fix before the planes start flying again.

Na semana do acidente, agências reguladoras de todo o mundo determinaram, como num efeito dominó, a suspensão de todos os voos com aeronaves daquele modelo. Ambas as investigações continuam em andamento e nenhuma determinação final foi feita até este domingo (31/3).


Autoridades da aviação chinesa já haviam tomado uma decisão semelhante no dia anterior (11/3). A China é o país com a maior frota de aeronaves 737 MAX do mundo.

O 737 MAX é a versão que vendeu a maior quantidade de unidades em menor espaço de tempo na história da Boeing, com mais de 4.500 aeronaves encomendadas por 100 diferentes operadoras no mundo todo.



São Paulo, 31 de março de 2019

Assine o Feed        Apoie o Ex Post no Apoia.se

Ex Post #431

Twitter: @ExPostCo
MeWe: Aeronáutica & Espaço