Pular para o conteúdo principal

Marte: falha na sonda de calor ainda é uma incógnita para a NASA

Engenheiros do projeto InSight ainda tentam entender por que a sonda parou de perfurar a menos de 1 metro na subsuperfície marciana. O plano agora é passar as próximas semanas investigando o que bloqueou o instrumento Heat and Physical Package (HP3) bem antes de atingir a profundidade desejada entre 3 e 5 metros. 

Ex Post #399 (4/3):
Pousador Mars InSight começa a cavar mas encontra obstáculo
O instrumento de medição HP3* começou a cavar o Planeta Vermelho mas foi interrompido na profundidade aproximada de 18-50 cm ao se deparar com o que parece ser um par de pedras, disseram os cientistas responsáveis pela atividade na última sexta-feira (1/3).

Sonda de calor HP3 na superfície de Marte.
Crédito: NASA/JPL

Jeff Foust (Space):
The probe, known as a "mole," started to burrow into the surface Feb. 28, hammering its way into the surface.
Tilman Spohn of the German space agency DLR, principal investigator for HP3, said that it appeared to reach a depth of about 30 centimeters after a four-hour hammering session.
The probe, though, went no deeper during a second, five-hour hammering session March 2, after which the instrument team decided to hold off on further efforts to burrow into the surface. "We don't know yet if it's a harder layer of regolith or a rock.", said.

Instrumento HP3. Crédito: Space Newsfeed

O Heat Flow and Physical Properties Package (HP3) é basicamente um termômetro que será enterrado a uma profundidade de até 5 metros no solo do planeta, capaz de medir a emanação de calor em direção à superfície sem a interferência das variações atmosféricas. Um dos experimentos atribuídos ao HP3 é emitir pulsos de calor e medir como eles se distribuem pelo solo.

Mars InSight (visão completa). Crédito: Spaceflight101

Outro instrumento importante, o sismômetro WTS/SEIS (vide imagem acima), está em stand by aguardando a ocorrência de um tremor de terra, em Marte tecnicamente um "marsquake", para realizar medições. A expectativa dos cientistas é detectar entre 10 e 12 sismos por ano terrestre.


São Paulo, 22 de março de 2019

Assine o Feed        Apoie o Ex Post no Apoia.se

Ex Post #422